Atenção

Fechar

NOTÍCIAS

Inspirado em Schwarzenegger, empreendedor cria rede de academias ao ar livre e fatura R$ 19 milhões

31/05/2022 | Globo

A jornada do empreendedor Marcus Moraes formou um ciclo interessante. Quando se inspirou no modelo de academia ao ar livre da Muscle Beach, frequentada por Arnold Schwarzenegger na Califórnia, não pensava que seria contratado para fornecer os equipamentos para a reforma do espaço duas décadas depois. A Mude tem como objetivo promover saúde e integração social por meio da prática do esporte em estações gratuitas de equipamentos localizadas em cidades brasileiras, que atraem investimentos, anunciantes e parcerias.

Faixa preta de jiu-jítsu, Moraes costumava viajar para participar de competições. Em uma dessas viagens, visitou a praia de Venice, na Califórnia, e conheceu a academia ao ar livre Muscle Beach. Para usar os equipamentos, os clientes pagavam US$ 5. A ideia chamou a atenção do empreendedor.

Quando cursava engenharia de produção na UFRJ, ele frequentava uma academia em Copacabana onde o próprio dono construía os equipamentos. Moraes decidiu usar as habilidades que aprendia na faculdade para desenhar os objetos em aço inox, por causa da durabilidade do material. A experiência foi transformada em trabalho de conclusão de curso, em 1998. O projeto trazia o caráter ao ar livre, que o empreendedor tinha visto nos Estados Unidos. “Fiz um piloto com a prefeitura do Rio de Janeiro, que funcionou em Ipanema por cerca de sete meses. Precisei vender o carro para ajudar na construção dos equipamentos”, revela.

Por cerca de quatro anos, Moraes atuou em outras áreas, como marketing esportivo e entretenimento. Em 2002, decidiu que iria voltar com o projeto das academias ao ar livre e alugou um espaço na Ilha do Governador para produzir os equipamentos com a ajuda de um soldador e um polidor. Ali nasceu a Mude. Em 2016, a fábrica foi transferida para a faculdade Unisuam (Centro Universitário Augusto Motta), em parceria, onde alunos de diferentes cursos, de arquitetura a matemática, podem trabalhar.

Apesar de ser cinco vezes mais caro que o aço carbono, tradicionalmente utilizado em todo o mundo, o aço inox foi escolhido por suas características. “Muito do sucesso da Mude eu credito ao uso do material, que não era comum no Brasil. O inox tem durabilidade e qualidade, o que é importante para o poder público e para os patrocinadores que se associam. Ele agrega valor e é mais sustentável, porque gera pouco conserto e descarte”, explica. Os equipamentos receberam registro de patente em 2016.

Fonte: Globo.com
Leia na íntegra.

Voltar para a lista

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.